Galeria de marcadores

Divinas Divas comentado por Gata de Rodas


Desde quando eu tive a oportunidade de saber mais sobre o Divinas Divas vindo da própria Leandra Leal, na 17º Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade 2017 promovido pela  Parada do Orgulho LGBT de São Paulo - APOGLBT, prometi a mim mesma que eu iria ver esse documentário que pelas palavras da jovem diretora, era um filme um tanto pessoal para ela.

Então no sábado, 29/07/2017, eu me presenteei e fui ao Cine Belas Artes, centro de São Paulo, assistir Divinas Divas.

O documentário fala sobre a vida, a carreira e a trajetória da primeira geração de travestis do Brasil: Rogéria, Jane Di Castro, Divina Valéria, Eloína dos Leopardos, Brigitte de Búzios, Camille K., Fujika de Halliday e Marquesa, oito artistas que fizeram história no Rival, teatro que pertence à família de Leal há gerações, e que viram Leandra crescer nos bastidores da casa.

Marquesa em cena de 'Divinas Divas'
Localizado na Cinelândia, centro do Rio de janeiro, o Rival é reconhecido como um dos primeiros palcos a dar espaço para shows de travestis e transformistas nas décadas de 60/70. E esse fato nos dias de hoje tem um significado muito importante, porque em outras palavras, o Rival, entre outro teatros da época, deu emprego para esses homens que decidiram se vestir (e/ou viver) como mulheres, no palco ou fora deles.

Divinas Divas é emocionante com histórias que variam entre o glamour das Divas e os seus relatos pessoais sobre convivência familiar, religião, cura gay, repressão policial, entre outros. Relatos esses de fatos acontecido a mais de 50 anos que por incrível que pareça, são ainda tão recorrentes nos dias atuais.

Divinas Divas é divertido porque mesmo tendo passado por muitas barras, as "cobaias" dos primeiros implantes de silicone e injeções de hormônio não perdem o senso de humor e com a alegria que lhes é peculiar, cantam em tom de brincadeira "Yes, Nós Temos Banana".


Divinas Divas é sensível quando o assunto é o amor e as Divas falam de seus maridos e companheiros.

Divinas Divas também é cheio de surpresas, porque quem iria imaginar que o Sílvio Santos, isso mesmo, o homem do Baú, seria lembrado por ter incentivado e apoiado o segmento T.


Divinas Divas é uma viagem para a contracultura do Rio de Janeiro dos conturbados anos de 60/70, para a Paris de Édith Piaf, para a Espanha de Franco, para a Nova York de Lou Reed e do Blondie da Debra Harry, para Berlim, para o punk... Enfim, Divinas Divas é também um convite para se viajar no tempo, no espaço, na história...

Mas, que o eu achei super legal foi que na minha cabeça que eu só conhecia a Rogéria, que se autodefine como a "travesti da família brasileira", mas conforme ia passando o documentário, eu fui lembrando que eu também já tinha visto algo sobre as "Les Girls" e sobre "Os Leopardos", e foi "mara" trazer à tona essa memória de forma tão bonita.



Marquesa nos deixou em 2015, aos 71 anos, depois de gravar o filme, mas a sua memória já se eternizou em nossos corações e também no belíssimo Divinas Divas.



"Marquesa: Presente, Sempre!"
 "É preciso viver de acordo com quem você realmente é"
Leandra Leal

................. Gata de Rodas ..................


Fique por dentro das notícias com o Blog Gata de Rodas
Bora lá seguir e se cadastrar: Gata de Rodas     
E receba matérias exclusivas. Beijos 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Topo