17/03/2020

Mulher Com Deficiência intensas lutas para empoderar no meio familiar!

Desde que eu me lembro, e isso remonta a minha infância, my life tem sido marcada por inúmeras e intensas lutas para emponderar a minha pessoa e a minha identidade no meio familiar.
Se socialmente o meu "corpo de mulher com deficiência", está na contramão do que se espera de uma pessoa com deficiência, em casa eu não sou diferente, mas a família não entende e insisti em me tratar como criança.
Sábado, dia 1º de fevereiro 2020, o bicho pegou aqui em casa, tudo por causa de um pedido que não pode ser atendido prontamente e que com as devidas explicações e justificativas foi solicitado para ser adiado para o dia seguinte.
Não era nada de urgência, nada que realmente não pudesse ser adiado, mas o ego frágil ao ouvir um "NÃO" se sentiu afrontado ao entender negativa como desobediência e foi ai que o quebra-pau correu solto. Falei tudo que estava engasgado e mesmo eu ter ficado uma pilha de nervos com a situação, resolvi manter a minha agenda e fui para o meu compromisso.
Fiquei sabendo que houve até reunião com alguns membros da família para discutir o ocorrido e decidir qual a punição eu merecia por causa da minha conduta.
Que absurdo!
Não é de agora que eu ouço que eu mudei para pior e a culpa acaba sempre recaindo em um outro alguém pela minha comportamento que eles acham que está muito rebelde, só que verdade eles não querem enxergar eu cresci, que eu sou uma mulher adulta que pensa, que tem vontade e opinião próprias e que, apesar das limitações por causa da deficiência, eu sou dona do meu destino. Minha cadeira de rodas não é a extensão do carrinho de bebê!
Eu não posso e não vou dizer "amém" para tudo que eles querem. Eu não vou sucumbir!
Siga, faça parte do blog, cadastre-se: Gata de Rodas
Receba matérias exclusivas. Beijos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Subir